Jornal da Ordem
Rádio OABRS
Twitter
Facebook
Istagram
Flickr
YouTube
RSS

01.09.20

Transtorno do Pânico | Uma epidemia silenciosa

Felipe Ornell


Possivelmente você já ouviu falar de alguém que procurou um serviço de emergência médica ou um cardiologista durante uma crise e descobriu que não havia nenhuma alteração física. Os sintomas parecem similares aos de um infarto: tontura, vertigem, sudorese, falta de ar, taquicardia, medo de perder o controle e sensação de morte. O problema, no entanto, não é cardíaco, mas um transtorno mental que vem chamando a atenção nos últimos anos: o Transtorno do Pânico.

O que é a Síndrome do pânico

A característica central do Transtorno do Pânico são as crises de ansiedade intensa, que ocorrem de forma abrupta e recorrente. Estas crises podem ser inesperadas (surgem sem motivo aparente) ou desencadeadas por situações específicas. O medo acentuado desencadeia reações físicas graves quando não há perigo real ou causa aparente (falamos sobre medo e ansiedade AQUI). Durante as crises quatro ou mais dos seguintes sintomas ocorrem simultaneamente:

  • Palpitações ou aceleração da frequência cardíaca;
  • Sudorese;
  • Tremores;
  • Sensação de asfixia ou dificuldade de respirar;
  • Dor ou desconforto no tórax;
  • Náusea ou desconforto abdominal;
  • Sensação de tontura, instabilidade ou desmaio;
  • Calafrios ou sensação de calor;
  • Sensação de dormência ou formigamento);
  • Desrealização (sentimento de irrealidade) ou despersonalização (sensação de estar separado do corpo);
  • Medo de perder o controle ou enlouquecer.

Os sintomas alcançam a intensidade máxima em pouco tempo e duram cerca de 10 ou 20 minutos e vão se dissipando, podendo ocorrer novamente.

Qual a periodicidade das crises?

A periodicidade e a gravidade das crises são variáveis, em alguns casos são frequentes (diárias por exemplo) e em outros mais espaçadas, separadas por semanas ou até meses, em geral com períodos de remissão que podem ser longos.

Quais as consequências da Síndrome do Pânico?

Experimentar o transtorno do pânico pode significar que você sente medo constante de ter outro ataque de pânico, a tal ponto que esse próprio medo pode desencadear seus ataques de pânico. Após as crises, ocorre a apreensão ou preocupação persistente acerca da ocorrência de ataques de pânico futuros e das suas consequências (por exemplo perder o controle, ter um ataque cardíaco, “enlouquecer”). Isso pode gerar mudanças significativas no comportamento, levando a evitação de situações cotidianas (trabalho, consultas médicas, dirigir, transporte público...) por medo das crises.

Também não é raro que o pânico ocorra simultaneamente com a agorafobia (medo intenso de estar sozinho em locais públicos). Em casos graves, as pessoas podem não sair mais de casa. Dificilmente o transtorno de pânico ocorre em pacientes sem outros transtornos mentais concomitantes (eventualmente não diagnosticados), sendo os mais frequentes os transtornos depressivos, bipolares, de ansiedade e relacionados a substâncias psicoativas, o que dificulta o diagnóstico e agrava o prognóstico. Ainda, é importante destacar que após as crises os sintomas de outras condições podem ser intensificados gerando sofrimento intenso, o que afeta diversas áreas da vida e aumenta o risco de afastamento laboral, social e suicídio.

Se trata de um transtorno comum?

O transtorno do pânico é um dos transtornos de ansiedade mais comuns, algumas pessoas chegam a caracterizá-lo como uma “epidemia silenciosa”. Estima-se que entre dois a 5% da população irá apresentar esta condição em algum momento da vida, mas há estudos mostrando que esta estimativa é muito maior. Geralmente os sintomas iniciam no início da idade adulta (por volta dos 20 aos 24 anos, mas o primeiro episódio também pode ocorrer em outras idades). Independente do momento em que ocorre,  quando não é tratado, tende a ser crônico.

Como as pessoas descobrem que sofrem deste transtorno?

Tendo em vista a similaridade dos sintomas — o pânico com problemas cardíacos — é muito comum que as pessoas busquem serviços de emergência médica durante as crises. Diante da inexistência de alterações orgânicas, parte-se para a investigação psiquiátrica. Como não há exames específicos para identificar o pânico, é necessário que uma avaliação global e minuciosa seja realizada. O diagnóstico correto frequentemente envolve psicólogos, psiquiatras, médicos clínicos e cardiologistas, pois precisa descartar outras questões médicas.

Quais os fatores de risco?

  • Situações de estresse extremo, seja no trabalho ou na própria vida pessoal;
  • Mudanças bruscas ocorridas na vida (divórcio, demissão...);
  • Morte ou adoecimento de pessoas próximas;
  • Experiências traumáticas;
  • Histórico de abuso sexual seja na infância ou em qualquer outro momento da vida;
  • Altos níveis de ansiedade;
  • Transtornos mentais prévios (principalmente relacionados ao humor e ansiedade).

Como é o tratamento?

Inicialmente, é importante ressaltar que é muito importante buscar auxílio especializado precocemente. Como as crises podem ocorrer em intervalos longos, é frequente que as pessoas procurem ajuda tardiamente, quando o transtorno já afetou a vida pessoal, profissional e a funcionalidade. A Terapia Cognitivo Comportamental, o Mindfulness, as técnicas de relaxamento e de respiração têm demonstrado boas evidências terapêuticas. Antidepressivos e benzodiazepínicos são os pilares do tratamento farmacológico. Estas estratégias podem ajudar a controlar as crises, reduzir a frequência e a intensidade, melhorando a qualidade de vida e beneficiam cerca de 80% dos pacientes. (1-4)

Lembre-se que a CAA/RS oferece atendimento psicológico presencial com condições especiais para a advocacia (você pode encontrar um conveniado clicando AQUI), ou on-line (clicando AQUI).

Felipe Ornell, psicólogo

Patrícia de Saibro, psiquiatra

 

Referências

1.         Curt C, Saad N, Raman M. Panic Disorder (Attack). 2020.

2.         Kim YK. Panic Disorder: Current Research and Management Approaches. Psychiatry Investig. 2019;16(1):1-3.

3.         APA APA-. Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DSM-5)2014.

4.         Keyl PM, Eaton WW. Risk factors for the onset of panic disorder and other panic attacks in a prospective, population-based study. American journal of epidemiology. 1990;131(2).

felipe para o site.jpg

Felipe Ornell

Psicólogo clínico, possui Residência em Saúde Mental (ESPRS) e especialização em Dependência Química; Mestre e Doutorando em Psiquiatria e Ciências do Comportamento (UFRGS). Pesquisador no Centro de Pesquisa em Álcool e Drogas - Hospital de Clínicas de Porto Alegre / Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Editor da Revista Brasileira de Psicoterapia. Professor titular do curso de Psicologia da Faculdade IBGEN, Grupo Uniftec e responsável técnico pelo Previne Saúde Mental.


E-mail: felipeornell@gmail.com
Site: http://lattes.cnpq.br/5402861891632171

Encontre um Conveniado
Publicações Relacionadas
REDE DE
PROFISSIONAIS
COMO FUNCIONA
CAA/RS SAUDEMENTAL
Categorias
SERVIÇOS
BOLETIM INFORMATIVO. CADASTRE-SE!
REDES SOCIAIS E FEED
RSS
YouTube
Istagram
Facebook
Twitter
Flickr
JORNAL DA ORDEM
Jornal da Ordem
MAPA DO SITE
Abrir

CAIXA DE ASSISTÊNCIA DOS ADVOGADOS DO RIO GRANDE DO SUL

Rua Washington Luiz, 1110, 5º andar - Centro - CEP 90010-460 - Porto Alegre - RS | (51) 3287.7498 | presidencia@caars.org.br

Envie uma mensagem    |    Mapa de localização

© Copyright 2021 Caixa de Assistência dos Advogados do Rio Grande do Sul    |    Desenvolvido por Desize