Jornal da Ordem
Rádio OABRS
Twitter
Facebook
Istagram
Flickr
YouTube
RSS

04.08.20   |  TRANSTORNOS DE ANSIEDADE

Sono: termômetro da saúde mental

Felipe Ornell


Como você percebe que a sua saúde mental não está bem? Você já parou para refletir sobre quais foram as primeiras alterações que o estresse intenso (principalmente prolongado) provocou na sua vida?

Há três áreas frequentemente afetadas (aumentadas ou reduzidas) quando a saúde mental e a resiliência ao estresse estão fragilizadas: a alimentação, a libido e o sono. Estas condições são uma espécie de termômetro de que algo não está bem, e por isso, precisam ser monitoradas, principalmente quando as alterações são persistentes. Hoje abordaremos o sono, um processo biológico que desempenha papel fundamental na manutenção da saúde e da vida.

Qual a importância do sono?

É durante o sono que uma série de funções cerebrais e sistêmicas são reguladas, incluindo o funcionamento dos sistemas imunológico, metabólico, neuroendócrino, hormonal, e cardiovascular (1, 2). Disfunções neste processo afetam a atividade do sistema nervoso simpático, do eixo hipotálamo-hipófise-adrenal e do ritmo circadiano, alterando o metabolismo e as respostas pró-inflamatórias.

Quais as consequências das alterações do sono?

A curto prazo, alterações no sono aumentam a reatividade ao estresse e a dor, além de serem relacionadas a níveis elevados de ansiedade, tristeza, esgotamento, e a déficits na cognição (afetando a memória, o desempenho cognitivo e a capacidade de resolver problemas). Já alterações crônicas tem sido relacionadas ao desenvolvimento de hipertensão, dislipidemia, ganho de peso, problemas gastrointestinais, síndrome metabólica e diabetes, além de aumentar o risco para o desenvolvimento de alguns tipos de câncer (1). O sono insuficiente também pode contribuir para alterações no sistema de resposta neuroendócrina ao estresse, levando ao desenvolvimento de transtornos mentais, principalmente relacionados a ansiedade, humor e depressão (3).

Dormir mal é doença?

Possivelmente uma grande parte das pessoas irá manifestar perturbações transitórias no sono em algum momento, isso é comum quando a higiene do sono é inadequada, em momentos de estresse intenso e durante algumas doenças (gripe, por exemplo). A preocupação deve surgir se os problemas estiverem trazendo sofrimento, atrapalhando a vida e a produtividade, ou se persistirem por um tempo prolongado.

Há diversas desordens do sono. A característica comum entre elas é a insatisfação com a quantidade ou a qualidade do sono. Frequentemente há dificuldade para iniciar e/ou manter o sono, e em despertar e/ou se manter acordado. Consequentemente, pessoas que sofrem com estes problemas se sentem constantemente cansadas e irritadas. Assim, é muito comum que isso seja acompanhado de sintomas psicológicos como a depressão, ansiedade e alterações cognitivas, como abordamos anteriormente (4).

Há dez diferentes tipos de transtornos do sono, o mais conhecido é o Transtorno de insônia, mas além dele há o transtorno de hipersonolência, narcolepsia, transtornos do sono relacionados à respiração, transtorno do sono-vigília do ritmo circadiano, transtornos de despertar do sono não REM (rapid eye movement – movimentos rápidos dos olhos), transtorno do pesadelo, transtorno comportamental do sono REM, síndrome das pernas inquietas e transtorno do sono induzido por substância/ medicamento (4). Cada uma destas condições tem características específicas (você pode ler mais clicando aqui). A identificação dos sintomas e da causa do transtorno do sono (Burnout, ansiedade, obesidade, alterações na respiração, doenças endócrinas, entre outras) é fundamental, pois irá subsidiar a indicação terapêutica que poderá envolver médicos do sono, psicólogos, neurologistas, psiquiatras, endocrinologistas entre outros.

Apesar de perturbações nestas esferas serem corriqueiras, e afetarem consideravelmente a saúde e a qualidade de vida, não é incomum que elas sejam subestimadas pelas pessoas, ou mesmo por profissionais da saúde pouco familiarizados com esta temática.

Profissões marcadas pela pressão intensa e por altos índices de estresse e competitividade podem apresentar índices elevados e transtornos do sono, entre elas está o Direito (5). No I Mapeamento de Saúde da Caixa dos Advogados do Rio Grande do Sul, a sonolência esteve entre as principais queixas relacionadas a saúde mental, relatada por mais de 50% dos advogados, superada apenas do estresse (uma condição que frequentemente está na origem das alterações do sono)(6). Isso nos sinaliza que se trata de uma área problemática e que precisa ser abordada, já que implica diretamente na saúde e na qualidade de vida dos advogados.

Na próxima semana daremos sequência a este assunto. Enquanto isso fica a reflexão: Como está a qualidade do seu sono?

Lembre-se que a CAA/RS oferece atendimento psicológico presencial com condições especiais para a advocacia (você pode encontrar um conveniado clicando AQUI), ou on-line (clicando AQUI).

por Felipe Ornell, psicólogo

 

Fontes

1.         Medic G, Wille M, Hemels ME. Short- and long-term health consequences of sleep disruption. Nat Sci Sleep. 2017;9:151-61.

2.         Zielinski MR, McKenna JT, McCarley RW. Functions and Mechanisms of Sleep. AIMS Neurosci. 2016;3(1):67-104.

3.         Meerlo P, Sgoifo A, Suchecki D. Restricted and disrupted sleep: effects on autonomic function, neuroendocrine stress systems and stress responsivity. Sleep medicine reviews. 2008;12(3).

4.         APA. Diagnostic and Statistical Manual of Mental disorders (DSM-5). Washington: American Psychiatric Association; 2013.

5.         Krill PR, Johnson R, Albert L. The Prevalence of Substance Use and Other Mental Health Concerns Among American Attorneys. J Addict Med. 2016;10(1):46-52.

6.         Bee-Touch. I Mapeamento de Saúde da Caixa dos Advogados do Rio Grande do Sul. 2018.

felipe para o site.jpg

Felipe Ornell

Psicólogo clínico, possui Residência em Saúde Mental (ESPRS) e especialização em Dependência Química; Mestre e Doutorando em Psiquiatria e Ciências do Comportamento (UFRGS). Pesquisador no Centro de Pesquisa em Álcool e Drogas - Hospital de Clínicas de Porto Alegre / Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Editor da Revista Brasileira de Psicoterapia. Professor titular do curso de Psicologia da Faculdade IBGEN, Grupo Uniftec e responsável técnico pelo Previne Saúde Mental.


E-mail: felipeornell@gmail.com
Site: http://lattes.cnpq.br/5402861891632171

Encontre um Conveniado
Publicações Relacionadas
REDE DE
PROFISSIONAIS
COMO FUNCIONA
CAA/RS SAUDEMENTAL
Categorias
SERVIÇOS
BOLETIM INFORMATIVO. CADASTRE-SE!
REDES SOCIAIS E FEED
RSS
YouTube
Istagram
Facebook
Twitter
Flickr
JORNAL DA ORDEM
Jornal da Ordem
MAPA DO SITE
Abrir

CAIXA DE ASSISTÊNCIA DOS ADVOGADOS DO RIO GRANDE DO SUL

Rua Washington Luiz, 1110, 5º andar - Centro - CEP 90010-460 - Porto Alegre - RS | (51) 3287.7498 | presidencia@caars.org.br

Envie uma mensagem    |    Mapa de localização

© Copyright 2021 Caixa de Assistência dos Advogados do Rio Grande do Sul    |    Desenvolvido por Desize