Jornal da Ordem
Rádio OABRS
Twitter
Facebook
Istagram
Flickr
YouTube
RSS

07.07.20   |  TRANSTORNOS POR USO DE SUBSTÂNCIAS

O que a droga te proporciona que você não consegue alcançar sem ela?

Felipe Ornell


O que a droga te proporciona que você não consegue alcançar sem ela? Alívio do tédio ou da tristeza? Redução da ansiedade? Descontração? Prazer? Disposição para estudar?

O uso de substâncias psicoativas pode ter muitos porquês1,2.

Percebam que todos os nossos comportamentos têm uma motivação. Nós comemos quando estamos com fome, dormimos por que estamos com sono e vestimos um agasalho quando sentimos frio, certo? Talvez. Quando se trata de comportamento, nem tudo é tão óbvio. Todos os nossos comportamentos, em último grau, são respostas a pensamentos ou a sentimentos, sejam eles bons ou ruins, conscientes ou não. A lógica é mais ou menos assim: quando emitimos um comportamento que gera uma sensação agradável, a tendência é repeti-lo. Porém, se a consequência é desagradável, ele passa a ser evitado. Este movimento, muitas vezes automático e imperceptível, é controlado por mecanismos cerebrais bastante primitivos, e visa potencializar o prazer e evitar o desprazer. E isso parece bastante óbvio. Diariamente realizamos diversos cálculos mentais estimando a possibilidade de prazer imediato x prazer futuro. Por exemplo, se eu passar pelo redutor a mais de 60 km/h posso levar uma multa, se eu não usar camisinha posso contrair uma IST, se eu não me preparar para a audiência posso ter um resultado ruim.

Mas por que as pessoas usam drogas, se elas sabem que tem um prejuízo potencial significativo?

Há algumas décadas, a hipótese da automedicação vem ponderando que as pessoas com transtornos por uso de substâncias não se tornam dependentes de uma determinada substância aleatoriamente. Apesar da experimentação ser geralmente despretensiosa, é o efeito farmacológico, relaxante ou estimulante, que permite aliviar o sofrimento, gerando a continuidade do consumo. É a partir da experiência de alívio dos estados emocionais dolorosos, proporcionados pelos efeitos específicos de cada classe de drogas, que a dependência se constrói 3,4. Tristeza, ansiedade, raiva, medo, são emoções muito poderosas, e eventualmente subestimadas. Diante delas, diferentes tipos de substâncias psicoativas podem ser usados ​​por várias razões quando alguém se automedica. Exemplos incluem 5:

  • Drogas estimulantes como cocaína, metanfetamina, são frequentemente usadas por pessoas no espectro do transtorno do déficit de atenção com hiperatividade (TDAH). Neste grupo, o uso de ritalina é comum, para aumentar o foco, a atenção e os níveis de energia, além de combater a depressão e aumentar o prazer
  • Os depressores do sistema nervoso central, como álcool, benzodiazepínicos (Valium, Ativan, Klonopin, Xanax) e auxiliares de sono são frequentemente usados por pessoas com problemas relacionados ao humor, já que permitem melhora-lo, escapar da realidade, aumentar a sociabilidade. Também é amplamente utilizado por pessoas com transtornos de ansiedade e relacionados ao sono.
  • Medicamentos opióides, como heroína e analgésicos prescritos (OxyContin, Vicodin, fentanil, morfina), são bastante utilizados para aliviar a dor, a depressão e a ansiedade e melhorar o relaxamento
  • Maconha: para elevar o humor, melhorar o relaxamento e criar uma ruptura com a realidade

O problema é que, com o uso crônico, as alterações cerebrais, o desenvolvimento da tolerância, dos sintomas de abstinência e da fissura tornam este alívio temporário cada vez menor6. Além disso, este processo gera a intensificação dos sintomas que antes eram aliviados7.

Sendo assim, um dos primeiros elementos do processo terapêutico é identificar o que a droga está atenuando. O questionamento realizado no início deste texto convida à exploração e compreensão dos sentimentos críticos e questões relacionadas que predispõem e mantém o uso de drogas. Mais do que isso, esta perspectiva parte do pressuposto que não adianta tratar o uso de drogas sem compreender e resolver todos os elementos psíquicos que geram a necessidade de uso. Assim, terminamos esta reflexão com a mesma pergunta do início: o que a droga faz por você?. Se você ainda não sabe responder, temos uma série de profissionais capacitados para te ajudar a compreender a sua relação com a droga e buscar formas mais efetivas de lidar com o universo psicológico. CLIQUE AQUI e conheça nossa plataforma de atendimento psicológico on-line, que conta com profissionais especialistas nas mais diversas áreas da Psicologia, e que podem te atendem a qualquer dia da semana, 24 horas por dia.

Caso você prefira um atendimento presencial, conheça os psicólogos (as) e psiquiatras conveniados à CAA/RS, e que irão te oferecer condições especiais para seu tratamento.

Se você já está em tratamento, e precisa de um auxílio financeiro para mantê-lo, a CAA/RS pode te ajudar. Recentemente, a entidade lançou uma série de novos auxílios, que pretendem amparar os colegas advogados e advogadas em momentos de temporária dificuldade financeira. Um deles é o Auxílio Superação, voltado àqueles que comprovarem internação para tratamento, de álcool ou de outras drogas. CLIQUE AQUI e saiba mais a respeito.

 

Por: Felipe Ornell – Psicólogo, Especialista em Dependência Química, Mestre em Psiquiatria com ênfase em Dependência Química.

Juliana Nichterwitz Scherer – Biomédica, Doutora em Psiquiatria com ênfase em Dependência Química

 

Referências

1          Köpetz, C. E., Lejuez, C. W., Wiers, R. W. & Kruglanski, A. W. Motivation and Self-Regulation in Addiction: A Call for Convergence. Perspect Psychol Sci 8, 3-24, doi:10.1177/1745691612457575 (2013).

2          Meyer, P. J., King, C. P. & Ferrario, C. R. Motivational Processes Underlying Substance Abuse Disorder. Curr Top Behav Neurosci 27, 473-506, doi:10.1007/7854_2015_391 (2016).

3          Khantzian, E. J. The self-medication hypothesis of substance use disorders: a reconsideration and recent applications. Harv Rev Psychiatry 4, 231-244, doi:10.3109/10673229709030550 (1997).

4          Khantzian, E. J. The Theory of Self-Medication and Addiction.  (2020).

5          American Addiction Centers (AAC). Are You Self-Medicating & Masking Symptoms of Mental Illness?  (2020).

6          APA.     (2013).

7          Ziedonis, D. & Brady, K. Dual diagnosis in primary care. Detecting and treating both the addiction and mental illness. Med Clin North Am 81, 1017-1036 (1997).

felipe para o site.jpg

Felipe Ornell

Psicólogo clínico, possui Residência em Saúde Mental (ESPRS) e especialização em Dependência Química; Mestre e Doutorando em Psiquiatria e Ciências do Comportamento (UFRGS). Pesquisador no Centro de Pesquisa em Álcool e Drogas - Hospital de Clínicas de Porto Alegre / Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Editor da Revista Brasileira de Psicoterapia. Professor titular do curso de Psicologia da Faculdade IBGEN, Grupo Uniftec e responsável técnico pelo Previne Saúde Mental.


E-mail: felipeornell@gmail.com
Site: http://lattes.cnpq.br/5402861891632171

Encontre um Conveniado
Publicações Relacionadas
REDE DE
PROFISSIONAIS
COMO FUNCIONA
CAA/RS SAUDEMENTAL
Categorias
SERVIÇOS
BOLETIM INFORMATIVO. CADASTRE-SE!
REDES SOCIAIS E FEED
RSS
YouTube
Istagram
Facebook
Twitter
Flickr
JORNAL DA ORDEM
Jornal da Ordem
MAPA DO SITE
Abrir

CAIXA DE ASSISTÊNCIA DOS ADVOGADOS DO RIO GRANDE DO SUL

Rua Washington Luiz, 1110, 5º andar - Centro - CEP 90010-460 - Porto Alegre - RS | (51) 3287.7498 | presidencia@caars.org.br

Envie uma mensagem    |    Mapa de localização

© Copyright 2021 Caixa de Assistência dos Advogados do Rio Grande do Sul    |    Desenvolvido por Desize