Jornal da Ordem
Rádio OABRS
Twitter
Facebook
Istagram
Flickr
YouTube
RSS

22.12.20

Metas de fim de ano | Mais leveza, menos frustrações

Felipe Ornell


As festas de fim de ano têm um significado simbólico importante, e é quase impossível ficar imune a algum grau de mobilização afetiva. Neste período, é comum que se realize uma avaliação sobre o ciclo que encerra e as emoções que esta retrospectiva podem despertar são mistas. Diante disso, não é raro que as pessoas relatem sentimentos de culpa, medo e frustração, que surgem perante a constatação de que muitos objetivos, planos, desejos e sonhos não foram colocados em prática. Logo, a expectativa de que o ano novo traria uma vida nova pode não ter se concretizado. Neste ano, em especial, isso ainda pode ter sido potencializado pela Covid-19 e seus reflexos em diversas esferas. Viagens foram canceladas, planos frustrados, metas postergadas e encontros impedidos, tornando o sofrimento quase inevitável e fazendo da resiliência a nossa melhor amiga.

Metas de final de ano: fábricas de frustrações

Obviamente o estabelecimento de metas é fundamental para direcionar esforços. No entanto, muitas pessoas fazem este planejamento no piloto automático, sem considerar a exequibilidade e as etapas intrínsecas à concretização dos objetivos. É comum que os objetivos não sejam realistas e desconsiderem a existência de recursos suficientes (suporte material, social e emocional) para a concretização. Além disso, mesmo metas realistas podem ser frustradas pela ausência do planejamento operacional. Por fim, as motivações por trás da intenção ao traçar tais objetivos podem ser negligenciadas, o que gera um problema adicional.  Nestes casos, o estabelecimento de metas de ano novo pode se tornar uma fábrica de frustrações, afetando o senso de auto eficácia e a autoestima.

Qual a solução?

Inicialmente, é importante que as metas estabelecidas sejam factíveis, ou pelo menos precisa haver uma distinção entre os objetivos possíveis e os que ainda não estão no campo das possibilidades. Depois disso, é necessário considerar a existência dos recursos necessários para a sua efetivação. Além disso, é fundamental estipular prazos (metas de curto, médio e longo prazo) e etapas necessárias para a execução e revisar isso durante o ano, e não apenas ao final. Por fim, as motivações por trás destas metas precisam ser exploradas: por que você quer isso? Qual a importância disso na concretização dos seus ideais (profissionais, éticos, morais...)?

Ninguém chega a lugares diferentes percorrendo os mesmos caminhos, então também é importante ponderar a motivação das metas anteriores. O contratempo foi na operacionalização? Eram infactíveis? Ou estavam descoladas dos seus ideais pessoais?

Os desafios de 2020 na Advocacia

É de conhecimento de todos que entre dezembro e março, a tramitação dos processos é impactada pelos recessos do Natal, do Carnaval e pela redução do efetivo no período de férias. Também se sabe que os escritórios de Advocacia costumam apresentar uma redução na receita durante o período de férias. Em 2020, este cenário foi agravado pela greve do Judiciário que havia ocorrido em 2019, acarretando atraso na tramitação dos processos e consequentemente do recebimento dos proventos. Quando as atividades começaram a retomar o ritmo normal, os advogados foram surpreendidos pelas medidas de isolamento e distanciamento social, que começaram a ser implementadas justamente em março.

É fato que o último ano trouxe uma série de desafios para os (as) advogados (as) e profissionais da área Jurídica. Diante da pandemia, os processos de trabalho sofreram transformações profundas, exigindo a integração imediata das tecnologias nas rotinas de escritórios e tribunais, o que implicou em um período de adaptação, ocasionando em maior ou menor grau algum nível de estresse.

Pegue leve com você mesmo

Diante de todas as transformações e adaptações que ocorreram em 2020 é natural que algumas metas tenham sido secundarizadas, e está tudo bem. Talvez uma boa meta para 2021 seja “pegar leve”, reconhecendo momento a momento nossas necessidades, nossos valores, expectativas, e reconhecendo tanto o planejamento quanto as falhas como partes naturais do processo.

felipe para o site.jpg

Felipe Ornell

Psicólogo clínico, possui Residência em Saúde Mental (ESPRS) e especialização em Dependência Química; Mestre e Doutorando em Psiquiatria e Ciências do Comportamento (UFRGS). Pesquisador no Centro de Pesquisa em Álcool e Drogas - Hospital de Clínicas de Porto Alegre / Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Editor da Revista Brasileira de Psicoterapia. Professor titular do curso de Psicologia da Faculdade IBGEN, Grupo Uniftec e responsável técnico pelo Previne Saúde Mental.


E-mail: felipeornell@gmail.com
Site: http://lattes.cnpq.br/5402861891632171

Encontre um Conveniado
Publicações Relacionadas
REDE DE
PROFISSIONAIS
COMO FUNCIONA
CAA/RS SAUDEMENTAL
Categorias
SERVIÇOS
BOLETIM INFORMATIVO. CADASTRE-SE!
REDES SOCIAIS E FEED
RSS
YouTube
Istagram
Facebook
Twitter
Flickr
JORNAL DA ORDEM
Jornal da Ordem
MAPA DO SITE
Abrir

CAIXA DE ASSISTÊNCIA DOS ADVOGADOS DO RIO GRANDE DO SUL

Rua Washington Luiz, 1110, 5º andar - Centro - CEP 90010-460 - Porto Alegre - RS | (51) 3287.7498 | presidencia@caars.org.br

Envie uma mensagem    |    Mapa de localização

© Copyright 2021 Caixa de Assistência dos Advogados do Rio Grande do Sul    |    Desenvolvido por Desize