Jornal da Ordem
Rádio OABRS
Twitter
Facebook
Istagram
Flickr
YouTube
RSS

15.12.20

Álcool | Excessos numa semana, depressão na outra

Felipe Ornell


 

A cultura do álcool

Como você comemora uma promoção no emprego? Como você celebra o seu aniversário, ou as festas de final de ano? Como você confraterniza com os amigos? Como você reage diante de uma demissão, de uma frustração ou do término de um relacionamento? Existem várias respostas para essas perguntas, mas uma delas é comum e recorrente: beber. O álcool é versátil, pode ser utilizado para celebrar conquistas, para socializar, para relaxar ou para afogar as mágoas. Logo, tem “cadeira cativa” em eventos significativos que vão de aniversários a velórios (Sudhinaraset, Wigglesworth, & Takeuchi, 2016).

Contradição ou mera coincidência?

A “cultura do beber” não é um fenômeno novo, tampouco restrito a locais geográficos específicos. Historicamente, tem atravessado a arte, o cinema, os ritos religiosos, as letras das músicas, os eventos esportivos e por aí adiante. Por trás disso, obviamente há o efeito cerebral de prazer, a sensação de relaxamento e uma indústria que fatura bilhões, sob uma ideia socialmente disseminada – e ingênua – de que manter o controle sobre o consumo é uma decisão racional. Antes fosse!

Neste momento, você pode estar pensando: cerca de 10% da população mundial é dependente de álcool, mas o percentual de pessoas que “bebe socialmente” sem apresentar dependência é muito superior. E esta constatação é correta, apesar de problemática. Para compreendê-la, precisamos atentar para dois fatos: o primeiro é que todo o uso problemático é precedido pelo uso recreativo. O segundo é que nem todos os desfechos trágicos envolvendo o álcool ocorrem em pessoas dependentes.

Efeitos da dependência e efeitos do abuso

É amplamente divulgado que o uso e abuso de bebidas alcoólicas é responsável por 3,3 milhões de mortes anuais, o que equivale a 6% de todos os óbitos do mundo. Atualmente a ideia de que o consumo moderado poderia ocasionar benefícios a saúde tem sido confrontada (Chiva-Blanch & Badimon, 2019) e há evidências sólidas que os riscos superam eventuais benefícios, já que mesmo o uso modesto contribui para mais de 60 condições de saúde agudas e crônicas e mais de 200 doenças. Embora a patogenicidade e letalidade das doenças crônicas dependam da quantidade do álcool consumido e dos padrões de consumo, nenhum dos estudos de revisão relatou um “nível seguro” de consumo de álcool (Chiva-Blanch & Badimon, 2019).

Porém, mesmo excluindo os desfechos decorrentes especificamente da dependência, ainda há os efeitos que independem desta condição. Diversos eventos adversos e até mesmo fatais são relatados após o consumo em binge (beber muito em um curto espaço de tempo). Estima-se que 18% dos conflitos interpessoais e dos casos de violência, 27% dos acidentes de trânsito, 18% dos suicídios envolvam o consumo prévio de bebidas alcoólicas (Iranpour & Nakhaee, 2019). Também, poderíamos citar outras condições como exposição moral incluindo condutas sexuais de risco (Rehm, 2011).

Consumo de álcool nas festas de final de ano

Nos últimos meses, observamos o aumento do consumo de álcool durante a pandemia (Ornell et al., 2020) e com as festas de final de ano se aproximando, a preocupação com as consequências do uso abusivo aumenta. Se sabe que no mês de dezembro, ocorrem mais vendas, consumo e mortes relacionadas ao álcool. Há estudos demonstrando que, apesar da variação semanal no consumo de álcool atingir o pico às sextas-feiras e sábados, no Natal e no Ano Novo os índices são mais elevados em comparação com restante do ano (Kushnir & Cunningham, 2014), o que pode explicar estes desfechos trágicos. Não há uso de álcool isento de riscos, mas para quem decidir beber, alguns cuidados podem ser pertinentes:

  • Alimente-se bem, isso ajuda a lentificar absorção do álcool.
  • Intercale doses de álcool com outras bebidas não alcoólicas, isso ajuda a reduzir a quantidade de álcool e o efeito da absorção.
  • A velocidade de consumo também impacta nos efeitos do álcool no organismo, então beba devagar.
  • Se alguma pessoa próxima estiver se colocando em risco depois de beber (moral, violência, trânsito) ajude-a.
  • Preste atenção no seu estado emocional, estresse e raiva podem ser potencializados com o álcool.
  • Encontros de família podem despertar emoções intensas, a redução da inibição e o aumento da impulsividade decorrentes do consumo do álcool podem fazer com que aquela “verdade que está entalada na garganta” seja expressada.
  • Por último mas não menos importante, se beber não dirija.

Estes cuidados podem prevenir que o excesso de hoje seja a depressão de amanhã.

 

Referências

APA. (2013). Diagnostic and Statistical Manual of Mental disorders (DSM-5). In. Washington: American Psychiatric Association.

Chiva-Blanch, G., & Badimon, L. (2019). Benefits and Risks of Moderate Alcohol Consumption on Cardiovascular Disease: Current Findings and Controversies. Nutrients, 12(1). doi:10.3390/nu12010108

Iranpour, A., & Nakhaee, N. (2019). A Review of Alcohol-Related Harms: A Recent Update. Addict Health, 11(2), 129-137. doi:10.22122/ahj.v11i2.225

Kushnir, V., & Cunningham, J. A. (2014). Event-specific drinking in the general population. J Stud Alcohol Drugs, 75(6), 968-972. doi:10.15288/jsad.2014.75.968

Ornell, F., Halpern, S. C., Dalbosco, C., Sordi, A. O., Stock, B. S., Kessler, F., & Telles, L. B. (2020). Domestic violence and drug use during the COVID-19 pandemic. Pensando Famílias, 24, 3-11.

Rehm, J. (2011). The Risks Associated With Alcohol Use and Alcoholism. In Alcohol Res Health (Vol. 34, pp. 135-143).

Sudhinaraset, M., Wigglesworth, C., & Takeuchi, D. T. (2016). Social and Cultural Contexts of Alcohol Use: Influences in a Social-Ecological Framework. Alcohol Res, 38(1), 35-45. 

felipe para o site.jpg

Felipe Ornell

Psicólogo clínico, possui Residência em Saúde Mental (ESPRS) e especialização em Dependência Química; Mestre e Doutorando em Psiquiatria e Ciências do Comportamento (UFRGS). Pesquisador no Centro de Pesquisa em Álcool e Drogas - Hospital de Clínicas de Porto Alegre / Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Editor da Revista Brasileira de Psicoterapia. Professor titular do curso de Psicologia da Faculdade IBGEN, Grupo Uniftec e responsável técnico pelo Previne Saúde Mental.


E-mail: felipeornell@gmail.com
Site: http://lattes.cnpq.br/5402861891632171

Encontre um Conveniado
Publicações Relacionadas
REDE DE
PROFISSIONAIS
COMO FUNCIONA
CAA/RS SAUDEMENTAL
Categorias
SERVIÇOS
BOLETIM INFORMATIVO. CADASTRE-SE!
REDES SOCIAIS E FEED
RSS
YouTube
Istagram
Facebook
Twitter
Flickr
JORNAL DA ORDEM
Jornal da Ordem
MAPA DO SITE
Abrir

CAIXA DE ASSISTÊNCIA DOS ADVOGADOS DO RIO GRANDE DO SUL

Rua Washington Luiz, 1110, 5º andar - Centro - CEP 90010-460 - Porto Alegre - RS | (51) 3287.7498 | presidencia@caars.org.br

Envie uma mensagem    |    Mapa de localização

© Copyright 2021 Caixa de Assistência dos Advogados do Rio Grande do Sul    |    Desenvolvido por Desize