Jornal da Ordem
Rádio OABRS
Twitter
Facebook
Istagram
Flickr
YouTube
RSS

27.10.20

Outubro Rosa | Muito além do útero e da mama

Felipe Ornell


 

Pensar na saúde das mulheres é pensar muito além dos aspectos que envolvem os cuidados necessários para a prevenção e diagnóstico precoce do câncer de mama e de útero — que são tão falados neste mês. Não que este fato não seja importante, muito pelo contrário, estratégias que fomentam a conscientização, a prevenção e o diagnóstico precoce estão nos pilares fundamentais dos cuidados em saúde. No entanto, mostra-se necessário aproveitarmos a movimentação proporcionada pelas campanhas do Outubro Rosa para ampliarmos o debate sobre a saúde da mulher e as diferentes variáveis envolvidas. Discutir fatores de risco e de proteção, papéis sociais, ciclo de vida, variáveis hormonais, sexualidade, expectativas culturais, imagem corporal, violência de gênero, igualdade de oportunidades, empoderamento, entre tantos outros fatores, se mostra de suma importância, principalmente por observarmos que todos eles são atravessados por um elemento comum: a saúde mental.

A saúde mental é englobada dentro do conceito da  Organização Mundial de Saúde (OMS), que considera um sujeito saudável quando ele tem seu pleno bem-estar biológico, psicológico, social e espiritual atendido. Dessa forma, compreende-se que ao tratarmos do tema saúde mental se mostra impossível não abordarmos este assunto a partir de uma perspectiva que desconsidera as questões de gênero. Nesse sentido, diversas publicações da OMS já afirmaram que o gênero pode afetar todos os aspectos das psicopatologias, incluindo sua prevalência, a maneira como os sintomas se expressam, o curso da doença e a busca por tratamento.

Inicialmente, cabe observar que alguns fatores de risco bem consolidados para o desenvolvimento de transtornos mentais afetam as mulheres em uma proporção superior aos homens. Exemplos disso são a desvantagem socioeconômica, a desigualdade de renda e a exposição a múltiplas violências. Ainda, precisa-se considerar que múltiplos papéis sociais e familiares são historicamente atribuídos a mulheres, colocando-as muitas vezes em posições de maior vulnerabilidade. Somando isso às novas demandas da vida moderna, podem ocorrer conflitos e uma sensação de sobrecarga, levando à fadiga e ao estresse crônico, impactando no surgimento de diferentes psicopatologias.

Dentro dessa perspectiva, observa-se que os problemas de saúde mental estão entre as principais causas de incapacidade em mulheres de todas as idades. A depressão, por exemplo, que é a segunda principal causa da carga global de doenças, é duas vezes mais comum em mulheres. Os transtornos de ansiedade, tais como o transtorno do pânico, transtorno de ansiedade generalizada e fobias, possuem também taxas de prevalência superior na população feminina em comparação aos homens. Na advocacia, o cenário segue a mesma direção evidenciada na população geral e o que se observa são que as advogadas apresentam níveis mais altos de ansiedade e estresse do que os advogados do sexo masculino.

Diversos estudos anteriores já demonstraram que a saúde mental fragilizada aumenta o risco para o desenvolvimento de algumas doenças físicas. Também se sabe que a ocorrência de determinadas doenças, como o câncer, é afetada pela saúde mental. Por isso, mostra-se importante aproveitarmos o mês de conscientização sobre a prevenção de cânceres que atingem a população feminina sobre aspectos envolvendo a saúde mental, pois vemos uma clara associação entre estes fatores. Dessa forma, é fundamental que, além de fortalecermos estratégias de cuidado com o corpo também possamos fomentar ações voltadas ao aspecto psíquico. Mulheres com boa saúde mental tem melhor capacidade para desenvolverem estratégias assertivas e gerenciar situações difíceis, podendo assim zelar pelo seu bem-estar e explorar possibilidades de serem mais felizes.

Lembre-se que a CAA/RS oferece atendimento psicológico presencial com condições especiais para a advocacia (você pode encontrar um conveniado clicando AQUI), ou on-line (clicando AQUI).

Felipe Ornell, psicólogo

Lucas Bandinelli, psicólogo

felipe para o site.jpg

Felipe Ornell

Psicólogo clínico, possui Residência em Saúde Mental (ESPRS) e especialização em Dependência Química; Mestre e Doutorando em Psiquiatria e Ciências do Comportamento (UFRGS). Pesquisador no Centro de Pesquisa em Álcool e Drogas - Hospital de Clínicas de Porto Alegre / Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Editor da Revista Brasileira de Psicoterapia. Professor titular do curso de Psicologia da Faculdade IBGEN, Grupo Uniftec e responsável técnico pelo Previne Saúde Mental.


E-mail: felipeornell@gmail.com
Site: http://lattes.cnpq.br/5402861891632171

Encontre um Conveniado
Publicações Relacionadas
REDE DE
PROFISSIONAIS
COMO FUNCIONA
CAA/RS SAUDEMENTAL
Categorias
SERVIÇOS
BOLETIM INFORMATIVO. CADASTRE-SE!
REDES SOCIAIS E FEED
RSS
YouTube
Istagram
Facebook
Twitter
Flickr
JORNAL DA ORDEM
Jornal da Ordem
MAPA DO SITE
Abrir

CAIXA DE ASSISTÊNCIA DOS ADVOGADOS DO RIO GRANDE DO SUL

Rua Washington Luiz, 1110, 5º andar - Centro - CEP 90010-460 - Porto Alegre - RS | (51) 3287.7498 | presidencia@caars.org.br

Envie uma mensagem    |    Mapa de localização

© Copyright 2021 Caixa de Assistência dos Advogados do Rio Grande do Sul    |    Desenvolvido por Desize